ALVES Giovanni

Expositor - Brasil

Email: giovanni.alves@uol.com.br

Professor da UNESP-Marilia, livre-docente em teoria sociológica, pesquisador do CNPq com bolsa-produtividade desenvolvendo projeto de pesquisa intitulado "A derrelição de Ícaro - Sonhos, expectativas e aspirações de jovens empregados do novo (e precário) mundo do trabalho no Brasil (2003-2013). É um dos líderes do GPEG - Grupo de Pesquisa “Estudos da Globalização”, inscrito do diretório de grupos de pesquisa do CNPq; e da RET - Rede de Estudos do Trabalho. Coordena os seguintes projetos de extensão universitária: Projeto de Extensão Tela Critica, voltado para a produção de material pedagógico de conteúdo sociológico que visa discutir temas da sociedade global através da análise critica de filmes do cinema mundial; Projeto CineTrabalho/Praxis Vídeo, voltado para a produção de videos que tratem das experiencias vividas e experiencias percebidas do mundo do trabalho e o Projeto OST (Observatório Social do Trabalho) que visa criar um acervo virtual que trate das experiências narrativas de precarização do trabalho no Brasil. É autor de vários livros e artigos na área de trabalho, sindicalismo e reestruturação produtiva.

Formas da Precarização do Trabalho no Brasil: Um balanço crítico da era do neodesenvolvimentismo (2002-2016)

Nosso objetivo é expor as formas de precarização do trabalho no período de ascensão e queda do neodesenvolvimentismo no Brasil (2002-2016), abordando num primeiro momento, o desenvolvimento da conjuntura da economia e da política na era do neodesenvolvimentismo (governos Luiz Inácio “Lula” da Silva e governos Dilma Rouseff); e salientando a seguir, a constituição e desenvolvimento da nova precariedade salarial no Brasil, a precarização das condições sociais de existência do trabalho vivo e a precarização da pessoa humana-que-trabalha. Iremos tratar das mutações orgânicas do mercado de trabalho brasileiro, o desenvolvimento da nova base tecnológica informacional (indústria, serviços e , os novos modos de gestão e organização do trabalho flexível, as formas de contratação salarial precária, a jornada de trabalho e formas de remuneração flexível, o modo de vida “just-in-time”, o novo sociometabolismo laboral e o adoecimento das pessoas-que-trabalham